Este sábado, 19 de outubro, há Hackday!

thackday_out2013

Amanhã voltamos à carga com mais um Transparência Hackday.
Vamos combater a chuva com mãos na massa e trilhar caminho nos dados abertos.
Entre outros planos, vamos continuar a organização dos datasets que reunimos, escrever a próxima newsletter e definir um plano de organização para os hackdays vindouros.

Começamos às 14:00 no Maus Hábitos e continuamos até às 19:00.
Não é preciso ser hacker pra aparecer, apenas ter vontade! Por isso, anda ter connosco :)

Cartaz de Pedro Brochado.

Bom ano novo e prósperos dados abertos!

  • Não enxergas nada no Diário da República Eletrónico? O Tretas.org fez a magia.
  • Depois do Hackday Lisboa em Dezembro, entramos no ano a hackar no Porto: 26/01/2013
  • Vai pensando nisso e marca na agenda Hackathon International de Dados Abertos, 23/02/2013
  • Tens algum  tempo livre e queres ocupar as mãos? Hackpausas
  • Transparência sem Fronteiras

2013 só começou há duas semanas, mas já rola aí a melhor notícia do ano para a frente Transparência: o Helder Guerreiro e o Tretas.org oferecem ao mundo o novo Indexador do Diário da República Eletrónico. Lê a notícia no Público.

E que belo atiçador é este indexador para os mais inquietos espíritos hackers!
O próximo Hackday vai ser no Porto, no dia 26 de Janeiro. O  encontro está marcado para as 10:00 no café Ateneia; depois seguimos  para uma caça às devolutas. À tarde, a partir das 14:30, encontramos-nos no café livraria Gato Vadio para hackar.

“Durante os hackdays e hackathons não se discute política.” Este  e outros pormenores e regras que fomos estabelecendo ao longo de dois  anos de mãos na massa de forma a tornarmos os hackdays mais divertidos e  produtivos, podem ser conhecidos no resumo do primeiro Hackday Lisboa, em  Dezembro. Rumamos pela  primeira vez a outra cidade do país para potenciar novas interações  entre tecnologia e cidadania.
Apareceram no MOB vinte entusiastas dos  dados abertos e acesso à informação pública.

Mas vem aí mais: em Fevereiro vamos ter a Hackathon International de Dados Abertos 2013 também cá no Porto. Reserva o dia 23 na agenda e acrescenta o teu nome à lista de participantes! Vamos fazer coisa bonitas com dados abertos.

Eu é mais dados” – O que mais desejo para 2013 é uma [mala Chanel] tshirt Transparência Hackday! Vão sair fresquinhas para a hackathon de 23 de Fevereiro. Encomenda a tua até 26 de Janeiro para mandarmos fazer na quantidade certa! bomdia arroba transparenciahackday ponto org

Hackpausas

Queres ajudar? Tens algum  tempo livre e queres ocupar as mãos contribuindo com algo de útil para o THackday? Podes sempre adicionar casas no Geodevolutas.org, via google StreetView, ou se não hackas em linguagens de programação mas lhe dás nas linguagens em geral, um trabalho muito necessário é a tradução de documentos e artigos relevantes. Queres lançar a primeira pedra de um pad para a tradução colaborativa da Declaration on Parliamentary Openness? Há mais ideias no fórum!

Transparências sem fronteiras…

Saúde & Dados Abertos: Desperdício nas Prescrições Médicas

Um grupo de defensores do serviço nacional de saúde inglês decidiu visualizar o desperdício na prescrição de medicamentos proprietários face a alternativas genéricas. Uma visualização clara, junto com um argumentário conciso e acessível, resultam num exemplo óptimo de como o uso de dados abertos pode ser muito útil na discussão pública de assuntos de impacto social: http://prescribinganalytics.com/

“The Commons of Health Knowledge”. Produced for The Case for a Health Knowledge Commons NESTA October 2012. Design work by Cassie Robinson

O  Nodebox é uma ferramenta singular para criar imagens com recurso a  código e combinação de elementos. Entre um milhão de outras coisas,  também serve para visualizar dados, e encontrámos uma óptima  documentação para começar rapidamente a experimentar. Funciona em  GNU/Linux, Mac e Windows.
http://nodebox.net
http://nodebox.net/node/documentation/using/data-visualization.html

Lobby & Transparência: União Europeia Sob Pressão

Na União Europeia há uma resistência política considerável à cultura da transparência. No final do ano passado, um encontro em Bruxelas juntou organizações da sociedade civil, activistas digitais e diplomatas para debaterem a transparência, ética e participação dos cidadãos nos assuntos europeus. http://bit.ly/Z3SeBL

Participa no fórum | Já estás inscrito na mailing list? | Acompanha-nos no Twitter

Inscreve-te na nossa newsletter para passares a receber as novidades por e-mail!

News#07/11: Plataformas desvendadas | Hackdays Porto [24/11] & Nacional [01/12] | Hackathons Internacionais

Nas últimas semanas decorreram dois eventos onde o Transparência Hackday marcou presença. Proporcionámos uma oficina no festival Future Places dedicada ao mapeamento das casas abandonadas no Porto, um pretexto perfeito para apresentar publicamente o GeoDevolutas.org e começar a colocar pontos no mapa. Na semana seguinte embarcámos no Intercidades para participar activamente no evento do momento no que toca à transparência, open data e envolvimento cidadão: o Cidadania 2.0, onde apresentámos os projectos GeoDevolutas, Mila e Demo.cratica, e onde aproveitámos para criar laços com outras pessoas e esforços dedicados ao envolvimento cidadão activo e empenhado. Também houve tempo para hackar as bases de um novo projecto do THD, que anunciaremos muito em breve!  E ainda conseguimos dar um salto à 2ª conferência Cultura Pirata na Sociedade da Informação.

Conhece os projetos desvendados!

GeoDevolutas.org, uma plataforma de mapeamento fácil de propriedades devolutas, desenvolvida com base no exemplo do CasasTristes.org. A convite do Future Places organizámos o workshop Forgotten City e depois, no Maus Hábitos, houve apresentação pública e lançamento informal do site. Mas não nos ficamos por aí! Na semana seguinte, o GeoDevolutas.org passou à escala nacional com uma apresentação no Cidadania 2.0.

Mila é um mapa colaborativo de obstáculos para cidadãos com dificuldades motoras. Este work-in-progress também foi apresentado no Cidadania 2.0 pelo seu idealizador, Luis Lago, que se baseou na plataforma Crowdmap da Ushahidi e pretende vir a ser capaz de calcular os melhores percursos (não só o mais curto, mas também aquele com menos obstáculos) tendo em conta os dados inseridos na plataforma.

Continuar a ler